HOME BIOGRAFIA HOMENAGEM CARREIRA CONFERÊNCIA
HOME
BIOGRAFIA
HOMENAGEM
CARREIRA
CONFERÊNCIA
VÍDEO
ACONTECIMENTOS
CONTATO
Flash

 
como você cresceu...

babayComo você cresceu... cresceu no meu peito como trigo... cresceu um imenso sonho dourado plantado desde o primeiro aceno... cresceu como vento leve, lua nova, maré cheia... cresceu muito depressa... cresceu com seu jeito quieto de esconder a noite em seu silêncio... cresceu ouvindo calado as coisas que eu não disse e nunca consegui dizer... cresceu até demais... cresceu a vontade de crescer e me fez transbordar poemas... cresceu tomando conta das paredes brancas de meu interior e cresceu no amarelado de minhas velhas fotografias dependuradas na parede... cresceu enorme nas minhas manhãs de 4 de janeiro... cresceu loucuras no meu sorriso guardado... cresceu preenchendo os espaços, as calçadas que meu desencanto ofereceu nas estradas surradas pelas chuvas não vindas dentro de minhas inverdades... cresceu demais... cresceu na boca da noite, na hora de chegar e de partir... cresceu tão grande como a hora de voltar... cresceu ocupando todo meu armário e o isolado do meu peito... cresceu em todas as cores que anunciaram a sua chegada... cresceu quando veio e quando não pode vir... cresceu quando trouxe o puro arco-íris do próximo encontro... cresceu levando as cicatrizes ainda agarradas em meu peito... cresceu diminuindo as distâncias... cresceu a estrela no meu peito doido pelos nós das amarguras, e como cresceu... cresceu quando me iluminou por dentro fazendo-me enxergar nas noites mais escuras... cresceu no imenso abraço que eu trago guardado embaixo das nossas rugas... cresceu no beijo, cresceu, cresceu, cresceu dizendo "prometo" e ficou maior do que todas as promessas... cresceu muito e nem deu conta de quanto cresceu... cresceu me permitindo novas descobertas... cresceu me acenando esperanças de crescer também...

Oyananda


HOMENAGEM A LINDOLF BELL


Grande poeta e amigo

parceiro de poemas no meio da praça, das ruas, de um tempo bom que não volta mais; apenas nas lembranças da poesia eterna.


"Não vim aqui para vos bajular,Contar piadas picantesou cantar canções de amor adolescentes.
 Não venho aqui para vos fazer cócegas na alma ou 
na planta dos pés, tampouco trazer-vos os lírios do campo. Venho para dizer-vos como se diz para irmãos ao redor de uma fogueira ou de uma mesa: ou a gente mete uma bala na cabeça ou fica no redemoinho vital para dizer e denunciar. Alegra-te cidade, terra e mar.
Alegra-te campo de amor.
Alegra-te que a poesia é canto, ainda é canto,
e é grito, ainda é grito, e o poeta vai a praça levando um povo pelas mãos e um coração na grande vontade de amar. "Este é um poema de Lindolf Bell que serviu de abertura para inúmeros recitais e leituras de nosso grupo, alguns ainda amigos: a Catequese Poética. E através dele, sempre foi possível sentir, a intenção e o desejo do Bell, e de cada um de nós, em reconduzir o poema aos limites amplos da pessoa, da praça, da comunidade. 

O poema é o dilema. O poeta é o que projeta: palavras arrancadas de um dicionário cardíaco. Contaminado coração. Contagiada palavra por usos, abusos e lambuzados corpos e sonhos infantis. E tudo situado nesse real lugar onde se desdobram os sinais e as sinas de atlânticos e pacíficos.
 E aqui contemplo - diz Rubens Jardim -
o verídico enxergar da luta rápida entre a letra viva e o oceano lento. Mares da infância. Ares de rio. Pomares. Ambígua volta em torno de ambígua ida. Tudo ambigüidades, é claro. Até porque, como é possível capturar a abrangência deste instante, de celebração e de homenagem a um poeta morto, se nós sabemos que quando um poeta morre todos nós morremos também. "Eu canto porque o instante existe e a minha vida está completa. Não sou alegre, nem sou triste. Sou poeta". E o que é o poeta senão essa criatura sem equivalência, a transbordar de seus limites humanos, em vício ou virtude, a exceder a multidão que o contempla ou não contempla, entende ou não entende, combate ou glorifica - mas não pode deixar de saber que está presente. Que é o poeta senão o ouvido que melhor ouve o apagado e esquecido e recolhe a sua informulada queixa e seu cântico longínquo? O olho que mais longe avista, até onde as formas são simples esquemas, onde tudo que parece o mais simples se desdobra e entrelaça em trama profunda. Sem ser Deus, nem profeta, nem sábio, mas tudo isso, imperfeita e amargamente, porque é apenas um poeta. E poeta é mesmo assim: múltiplo, complexo, contraditório, solitário e plural, humilde megalômano, desgraçado feliz, audaz e tímido, antinômico, poliedro de cristal com uma luz diferente em cada aresta. E ESTA É APENAS UMA DAS ARESTAS--QUE RESTAM PARA ME LEMBRAR DE TI, AMIGO, MENINO, IRMÃO, COMPANHEIRO.
 Ninguém escreveu com tanto sangue e com tanta fraternidade como você. 
Nem mesmo Nietzsche,
nosso irmão de adolescência. 
Nem mesmo Rilke, perdido e achado entre Duino e Raron, 
as Elegias e as Cartas. 
Nem mesmo Drummond, Bandeira, Pessoa, Jorge de Lima, Saint John Perse,T.S.Eliot . 
E como são cada vez mais raros os poetas que são poetas 24 horas por dia! E você foi assim naturalmente, espontaneamente. E por isso te chamo menino, mestre, bruxo, cidadão do mundo e de Timbó. 
Você acreditou sempre, tal como o poeta Pablo Neruda, que é preciso escrever para o povo - MESMO QUE O POVO NÃO POSSA LER POESIA COM SEUS OLHOS RURAIS.
 Será que o tempo abrirá o grão do esquecimento na polpa seca ou na casca dura deste instante de difícil travessia? 
Ó meu velho e querido poeta, 
as crianças traídas estão ainda mais traídas agora sem a tua presença, pois ninguém mais se dispõe a recolher as lágrimas das mães numa bacia de sombra,e é muito raro alguém amar os amigos de pés no chão e mais raro ainda alguém reconhecer que foi a criança sem ciranda e acreditou numa igualdade total. Bell, ninguém mais está interessado na metamorfose de Deus. 
E acho que ninguém mais se lembra daquela tua advertência de que Deus está se transformando em um poste onde os homens urinam. Ou ainda da tua reivindicação da nossa morte natural e lírica sem nenhuma dessas abomináveis presenças: CTI, UTI. 
Pouca gente ainda acredita que a poesia é terrível soerguimento, necessidade atávica e concreta de todo ser humano. 
Disseste em um poema que quase chegar é sempre perder a hora e encontrar o fruto seco de tanto esperar.
 Eu só quero mesmo te dizer isso: que dentro das tuas palavras, dos teus gestos mais febris, dentro da tua garganta e debaixo das tuas unhas, e sempre diante dos girassóis e sempre ainda diante dos plátanos que foram sempre companheiros da tua alegria de viver e conviver:  

É MISTER QUE O AMOR SEJA CRUEL, CLARO É O QUE É CLARO. TUDO PARECE SIMPLES , QUANDO NÃO EXIGIMOS MUITO.

 OS OLHOS QUANDO SE JUNTAM, NÃO SE JUNTAM, ACASO, COMO RIOS FORA DE TODOS OS CURSOS? ANTES, MUITAS SORTES HABITAVAM-TE  COMO LÂMPADAS ACESAS.
 E,SE HOJE,
A PENUMBRA SOBREVÉM, AS MÃOS SE JUNCAM COMO TREPADEIRAS, E O VÍNCULO DO AMOR  PERMANECE UMA LINGUAGEM, SABE-SE MELHOR, QUE AQUELES QUE PASSAM  SÃO AQUELES QUE FICAM MAIS FUNDO EM NÓS.

Na foto, Baby Garroux e Lindolf Bell na redação dos Diário Associados, sonhos da nossa Catequese Poética que não morre jamais.

By Jhamaro Lima
Todos os direitos reservados para Baby Garroux 
Site Map